Carrinho
0 iten(s)
 




Fitinha do Senhor do Bonfim - Conheça um pouco mais sobre este amuleto e souvenir


De todas as cores, a Fitinha do Senhor do Bonfim é um dos souvenirs mais emblemáticos de Salvador, disputando espaço apenas com o berimbau, que sempre causa alguma confusão no momento de transportar em uma viagem. Salvador é conhecida pela sua fé e principalmente pelo seu forte sincretismo e a fitinha do senhor do Bonfim é um amuleto que transita não só no imaginário católico, como também no do Candomblé – cada cor está ligada a um Orixá, apesar da fita ter sua origem e nome associados a uma imagem do Catolicismo: o Senhor do Bonfim.
 
 
Origem da Fitinha do Senhor do Bonfim
 
Os primeiros registros referentes à fitinha do Senhor do Bonfim datam de 1809 e antes ela era “conhecida como medida do Bonfim. O seu nome devia-se ao fato de que media exatos 47 centímetros de comprimento, a medida do braço direito da estátua de Jesus Cristo, Senhor do Bonfim, postada no altar-mor da igreja mais famosa da Bahia. (…) A “medida” era confeccionada em seda, com o desenho e o nome do santo bordados à mão e o acabamento feito em tinta dourada ou prateada. Era usada no pescoço como um colar, no qual se penduravam medalhas e santinhos, funcionando como uma moeda de troca: ao pagar uma promessa, o fiel carregava uma foto ou uma pequena escultura de cera representando a parte do corpo curada com o auxílio do santo (ex-voto). Como lembrança, adquiria uma dessas fitas, simbolizando a própria igreja”.(Fonte da Informação: Wikipedia)
 
 
Como usar a Fitinha do Senhor do Bonfim?
 
Tradicionalmente, quando ganhamos ou adquirimos a fitinha, a utilizamos no pulso. Dê três nós e faça seu pedido. O pedido só se realizará caso a fitinha “caia” sozinha (parta), sem que você a force ou a corte. Muitos levam suas fitinhas para serem benzidas na Igreja do Senhor do Bonfim. Extrapolando o seu uso e significado inicial, hoje a fitinha foi reinventada e estampa bolsas, cangas, camisetas, copos, canecas e toda uma sorte de outros souvenirs.
 
Autor: Janaína Calaça
 



Busca: